segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Entrevista com diretor de filme sobre mártir iraniano

31/7/2010 - 06h28

Haik Hovsepian, pastor martirizado em 1994

IRÃ (2º) - Joseph Hovsepian nasceu em 1973 no Irã. Ele começou filmando e editando um evento aos 17 anos, e finalmente se interessou e encarou o desafio de entrar no campo do cinema. Depois do martírio de seu pai em 1994 no Irã, dirigiu seu foco para filmes com temas espirituais. Joseph estudou Cinema e Filmagem na escola de Arte Guildford, na Inglaterra, e desde 1998 trabalha integralmente produzindo e dirigindo filmes.

Logo após imigrar para a Califórnia, em 2000, Joseph Hovsepian fundou a JFA Produções (Joseph Film & Animation, LLC) e tem produzido desde então projetos independentes e trabalhos marcantes para TV e estações a cabo.

Por que você escolheu contar a história de seu pai por meio de um documentário em vez de criar um filme biográfico com a encenação de sua vida e martírio?

O documentário é mais real. E, em nosso caso, tínhamos muitos materiais de vídeo da vida de meu pai e sobre a situação no Irã; foi a melhor escolha. Com um custo sensato, foi também adequado para o nosso orçamento. Todavia, espero que um dia eu tenha a oportunidade e o orçamento para produzi-lo seguindo as características de filme.

O que você ganhou criando um documentário que seria perdido num filme biográfico? Que mensagem ou informação o formato de documentário permite transmitir?

Testemunhos e entrevistas permitem que o documentário tenha uma ampla perspectiva de dimensão, cultura e globalização. O mais importante é que o documentário pode descrever melhor a real característica de meu pai, Haik Hovsepian, dando oportunidade à plateia de encontrar um verdadeiro herói e observá-lo em cada parte da historia, até seu martírio.

Através desse documentário, o espectador pode ouvir sua voz, cantando, e seu amor pela família, amigos e inimigos. Então, não poderiam existir dúvidas na mente do espectador sobre o modo como o ator está retratando o verdadeiro Haik Hovsepian.

A Cry from Iran foi filmado em cinco países diferentes e seis estados nos Estados Unidos. Quantos dias foram necessários para a filmagem?

Nós gastamos mais de dois meses filmando e viajando pelos Estados Unidos e demais locais de filmagem, exceto o Irã. Os clipes do Irã ocorreram dentro de um longo período de tempo, anos antes de iniciarmos a edição do filme. Alguns desses clipes foram trazidos para os Estados Unidos por nós mesmos, e alguns foram enviados mais tarde.

Porque a Turquia foi escolhida para a filmagem dos fatos ocorridos?

Certas regiões da Turquia são muito similares ao Irã. A forma como as pessoas se vestem, a postura das mulheres de cobrir suas cabeças, o fluxo de pessoas, todas essas características são similares. Existia também menos limitações e perigo para nós, comparado com o Irã. Nós também tínhamos acesso a muitas pessoas na Turquia que estavam motivadas a contribuir com esse projeto, como extras ou assistentes de produção.

As entrevistas nesse documentário são cuidadosa e perfeitamente entrelaçadas com imagens, refilmagens e sonoplastia dirigidas por seu irmão André. Qual é a experiência dele em edição?

Quando adolescente, em 2003, André Hovsepian começou editando shows de TV e logo demonstrou ser uma pessoa com visão única, capaz de ver o poder da criação no drama. Quando chegou o momento de editar A Cry from Iran, ele já tinha experiência e estava treinado.

Nesse documentário, André viu cenas de nosso pai que ele não tinha visto na vida real, porque tinha somente 10 anos quando meu pai foi martirizado. O processo de edição desse filme foi uma nova chance para André ver papai quadro a quadro e conhecê-lo um pouco mais.

Que processo você usou para selecionar mais de 200 horas de imagens e escolher quais clipes deveria usar no documentário?

Essa foi a parte mais difícil do processo para nós. Tivemos que separar nosso envolvimento do documentário. Tínhamos que considerar a melhor forma de contar toda a história pensando no que deveria ser política e socialmente correto.

Nós concluímos o projeto com um documentário de duas horas. Então teríamos o período mais difícil, de ‘cirurgia’, para cortar 55 minutos. Nós tivemos que agir de forma consistente para cortar passagens repetitivas ou que não seriam úteis para os espectadores. Fomos agraciados, pois tínhamos pessoas em nossa equipe que não estavam ligados emocionalmente a Haik Hovsepian. Eles compartilharam conosco honestamente suas opiniões sobre os vídeos que deveriam ser cortados.

Como a Portas Abertas Internacional tornou-se a produtora executiva desse documentário? Vocês os encontraram ou eles te encontraram?

Isso é muito interessante – como se esse encontro fosse pré-planejado nos céus. Eu nunca soube que a Portas Abertas Internacional tinha interesse por filmes. Eu entrei em contato primeiro com a Voz dos Mártires, mas, após várias discussões, ao contrário de nossa expectativa, eles não puderam assumir esse projeto.

Após alguns meses, o irmão Johan da Portas Abertas nos visitou e, como se fôssemos amigos há tempos, a ideia desse projeto nasceu. Ele solicitou que enviasse uma proposta para a gerência da Portas Abertas Internacional e eu o fiz. Semanas mais tarde, nós estávamos iniciando o projeto, e eu estava realmente motivado pela porta que o Senhor abriu, uma porta que eu não esperava. Nesse caso, o Senhor realmente abriu as portas, por meio da Portas Abertas.

Como o Senhor te preparou para iniciar e finalizar a produção de A Cry from Iran por meio de experiências da vida que te conduziram para dirigir esse projeto?

Eu penso que foi um processo de restauração bem como de desafio para nós. Eu queria fazer esse projeto desde o martírio de meu pai, mas é como se Deus quisesse que estivéssemos emocionalmente preparados. Esse período de tempo nos deu a oportunidade de nos encontrarmos nos braços do Senhor novamente, para estarmos certos de que foi nos dado tempo para sermos treinados e para que adquiríssemos habilidades necessárias para nos desligar emocionalmente desse projeto. Isso também nos permitiu considerar os Estados Unidos para viver e trabalhar.

Como foi reviver e filmar os eventos que envolveram o assassinato de seu pai? Houve momentos em que você e seu irmão sentiram que não seria possível dar continuidade ao projeto?

Como eu compartilhei no documentário, ver meu pai totalmente ensanguentado deixou-me em choque, como uma foto na minha mente que causou efeitos por longo tempo. Mas sempre confiei que o Espírito Santo é o poder que ajuda a superar qualquer coisa, mesmo as piores tragédias. Na noite antes da filmagem do martírio, eu estava nervoso, mas dediquei mais tempo orando e focando nos resultados que o filme poderia ter. Eu olhava para o futuro mais do que para o passado.

No dia de filmar a cena do assassinato, quando o responsável pela maquiagem estava preparando a camisa ensanguentada nas cicatrizes de faca e golpes no corpo, eu de repente percebi que meu irmão André Hovsepian sumiu. Eu procurei por ele, e alguns minutos mais tarde o encontrei no banheiro com lágrimas nos olhos. O ator que fez o papel de meu pai naquela cena era exatamente como ele. E a maquiagem foi cuidadosamente preparada para ser fiel às contusões que ele sofreu, cicatrizes e golpes conforme as fotos originais do assassinato. Era como se nós tivéssemos visto o martírio de meu pai naquele momento, diante dos nossos olhos.

Qual foi o maior obstáculo que você enfrentou durante o processo de filmagem e como você superou isso?

Nós enviamos um equipamento especial de filmagens para um amigo no Irã. Então ele faria algumas das filmagens lá, porque nós precisávamos de algumas cenas no formato HD. Essa pessoa filmou quase tudo o que foi solicitado, mas, um pouco antes de nos enviar a filmagem, ele se envolveu com trabalhos evangelísticos e outras atividades da igreja. Tivemos que esperar ansiosamente para que eles pudessem nos ajudar, pois era o único contato de trabalho. Infelizmente ele não pôde nos ajudar a tempo e tivemos que usar a filmagem em SD para cobrir a parte que precisávamos.

Qual foi a lição mais significativa que Deus te ensinou, em seu lado pessoal, durante a filmagem de A Cry from Iran?

Que Ele é fiel a mim agora e sempre será. Ele permitiu que eu pudesse realizar o desejo do meu coração de fazer esse filme. Ele me ensinou a confiar Nele em todas as circunstâncias de minha vida. E, finalmente, por meio desse filme, Ele permitiu mais uma vez que eu vivesse com meu pai, quadro a quadro, e me deixou ver o herói que ele foi, e ter a certeza de que eu vou me encontrar com ele novamente no céu.

A história do acidente de carro, onde seus pais perderam seu primeiro filho, que na época era o único, e o casal de missionários que estava com eles que perdeu os três filhos, foi extremamente comovente. Como seus pais falavam com vocês desse assunto?

Considerando que eu nasci quatro anos após o acidente, eu vi a reação durante muito tempo. No entanto, sempre que o nome do meu irmão era citado, sempre vinha acompanhado de referências ao céu, e como em breve iríamos encontrá-lo lá. Ele seria quatro anos mais velho do que eu; muitas vezes calculávamos quantos anos ele teria. Mas, geralmente, meus pais eram calmos sobre esse assunto, o que fez com que eu percebesse como o céu era muito próximo para eles.

Pela sua estimativa, quantas pessoas foram tocadas diretamente por seu pai, por seu testemunho de vida, de pregação, ensinamento e trabalho social?

Eu acredito que no mínimo alguns milhares. Isso no tempo em que a Igreja não era grande. Mas muitas pessoas, mesmo no oeste, foram abençoadas por seus sermões e suas conferências pelo mundo. Muitos muçulmanos no Irã, nas regiões de terremoto, foram abençoados por sua ajuda. Os refugiados curdos também foram abençoados por sua ajuda.

Quantos membros de sua família (irmãos, tios etc.) são pastores, apesar do que aconteceu com seu pai?

Todos os irmãos de meu pai (meus três tios) são pastores. E minha família por completo está de alguma forma envolvida com a pregação do evangelho. Meus dois irmãos e eu não temos o título de pastor, mas nos últimos anos nós temos pregado na TV via satélite. Algumas vezes pregamos e compartilhamos a mensagem em diferentes mídias, tornando-a mais atrativa e fácil de comunicar aos iranianos e para o mundo de língua farsi.

Como as pessoas nos Estados Unidos, cristãos e não cristãos, reagiram em relação ao filme?

Além de nossas expectativas. Naturalmente, os cristãos encontraram grande inspiração para sua fé e caminhada com o Senhor por meio dessa história. Eles têm sido desafiados na fé, no perdão, na missão e no cuidado com as áreas de perseguição no mundo. Esse filme tem sido visto constantemente em pequenas e grandes igrejas do mundo como uma ferramenta para a igreja local. Algumas igrejas têm nos convidado para compartilhar após assistir o filme. A TBN já veiculou o filme oito vezes, e milhões de pessoas foram tocadas.

Os não cristãos têm sido profundamente tocados pelo filme e alguns já se converteram por meio dele. Vale a pena mencionar que os muçulmanos pelo mundo, incluindo o Irã, têm amado o filme, e alguns deles distribuem o filme pela vizinhança. Eles não consideraram este filme uma ameaça, ataque, ou vingança ao Islã, mas uma mensagem de amor e sacrifício.

Eu tenho sido convidado por vários canais de TV e programas de rádio de comunidades muçulmanas e sou bem recebido por eles.

Como é a condição do cristianismo no Irã atualmente? Como os cristãos do oeste podem orar pelos cristãos do Irã? Como podemos orar pelos muçulmanos no Irã?

Eles estão sedentos por conhecer Jesus. Enquanto o governo e os líderes fanáticos ainda criam problemas para qualquer pessoa cruzar a linha da religião, a média dos muçulmanos mostra grande abertura para ouvir sobre a Bíblia e sobre Jesus Cristo.

O número de cristãos no Irã não é exato, mas está na faixa de milhares e milhares. Nós no oeste precisamos orar pela proteção de Deus e força para suas vidas. Nós precisamos orar pedindo sabedoria de Deus, para que saibam como compartilhar sua fé em um país que na superficialidade está tão perto do evangelho, mas no fundo está completamente aberto a ele.

Nós também precisamos orar pelos muçulmanos no Irã, sabendo que eles desejam encontrar a verdade. Eles merecem ter um relacionamento com o Deus vivo. Nós precisamos orar para que o Santo Espírito toque seus corações e abra suas mentes, para que reconheçam a verdade entre as mentiras, pois eles têm sido enganados por décadas.

Quando sua família se mudou do Irã para os Estados Unidos? Por que vocês decidiram deixar o Irã?

Nós mudamos seis anos após o martírio de meu pai, no ano 2000. Depois que tudo passou, e de tudo o que havíamos feito por anos após a morte de meu pai para fortalecer e encorajar a igreja, sentimos que era o tempo para nós virmos para os Estados Unidos. Aqui, minha mãe pode estar com sua família, pois não tinha parentes no Irã.

Outro forte motivo para deixar o Irã foi para que pudéssemos servir no campo por meio da mídia da melhor forma, devido a todas as limitações. Hoje, o resultado de nosso ministério pela TV por satélite para o Irã mostra que foi válida a nossa decisão em 2000.

Seria possível produzir A Cry from Iran se ainda estivessem morando no Irã?

Não, de forma alguma. Com o controle governamental e o nível de perseguição, não haveria uma opção que pudesse passar pela nossa mente. A distância do país e o fato de fazermos o filme independentemente fez com que não tivesse ligação alguma entre o filme e a igreja local do Irã, anulando qualquer tipo de perigo ou ameaça para eles.

Qual é o próximo projeto da JFA Produções?

Céu e inferno – um filme característico adaptado para os iranianos. Nós ainda estamos discutindo se precisaremos ou não de ajuda para fazer algo similar em inglês. Nós estamos trabalhando no roteiro do filme e esperamos encontrar recursos que irão prover as necessidades para iniciar a produção. Por outro lado, estamos produzindo vídeos musicais cristãos, curtas e programas para a juventude, e algumas outras mídias de pacotes de discipulados para o crescimento das células nos lares do Irã. Algumas de nossas produções podem ser vistas previamente no site www.JFAproduction.com.

Você já pode adquirir o filme Irã: Um brado de fé em nosso catálogo de produtos!

Tradução: Lilian Ludovico Andrade

Fonte: Portas Abertas

2 comentários:

  1. CÉLULAS NO IRÃ?

    QUEM TOPA??????

    ResponderExcluir
  2. eu prefiro áfrica, mas Deus é quem manda rs!

    ResponderExcluir